Fique por dentro

05/11/20 08:00 | NOTÍCIAS

Novembro azul: a importância da detecção precoce do câncer de próstata

O câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens no Brasil, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Cerca de 75% dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. A detecção precoce é uma das estratégias mais indicadas para se chegar a um diagnóstico na fase inicial da doença com melhores chances de tratamento.

De acordo com o urologista da Med Imagem, dr. Pablo Mattos, a recomendação é que a partir dos 50 anos o homem procure um especialista para uma avaliação de rotina.

“A indicação é que a partir dos 50 anos o homem procure avaliação de um especialista e não só por causa do câncer de próstata, mas também de outras doenças como a hiperplasia, por exemplo, que é o aumento da próstata e que pode resultar em dificuldades ao urinar”, afirmou o médico.

Ele explica ainda que sintomas como redução no jato de urina, necessidade de urinar várias vezes durante o dia ou à noite, sangue na urina, dor e/ou ardor ao urinar, estão entre os sinais que precisam ser investigados.

“Qualquer uma dessas alterações precisa ser avaliada se for persistente. Elas podem ser causadas por outras doenças, como inflamações provocadas por fungos, bactérias, mas também podem ser o sintoma de um câncer e de uma forma ou de outra, precisam de tratamento”, frisa o urologista Pablo Mattos.

Fatores de risco do câncer de próstata

A idade é o principal fator de risco para esse tipo de câncer, pois a partir dos 50 anos a incidência aumenta significativamente. Existem, porém, outros fatores que podem influenciar no aparecimento da doença, tais como:

Ter parente de primeiro grau que teve câncer antes dos 60 anos (fator hereditário);
Homens negros são mais vulneráveis à doença, sendo indicado procurar um especialista e realizar os exames a partir dos 45 anos.
“Temos ainda os fatores de risco chamados modificáveis que correspondem ao estilo de vida e a alimentação. Ser sedentário, excesso de peso, dieta rica em gorduras e pouco equilibrada, tabagismo, podem influenciar e muito no surgimento do câncer de próstata. Assim é importante ter um estilo de vida saudável com a prática de atividade física constante”, afirmou o médico.

Exames de PSA e toque retal

De acordo ainda com o urologista, a realização do exame clínico do toque retal e laboratorial, esse último mede a dosagem do PSA (antígeno prostático específico), é fundamental para um melhor diagnóstico.

“O toque retal é um exame rápido e indolor que permite identificar se há ou não nódulos ou tecidos endurecidos na próstata. A resistência a esse exame tem diminuído porque os homens estão percebendo que é melhor ter saúde do que alimentar o preconceito e vir a descobrir um câncer quando já não podemos tratar adequadamente”, disse o urologista.

Outro exame importante para o diagnóstico é o PSA que é um tipo de exame de sangue que avalia a quantidade do antígeno prostático específico. Caso seja constatada uma alteração na dosagem do PSA, outros exames complementares são indicados.

“Esses dois exames são os indicados para um diagnóstico inicial, mas quando se verifica alguma alteração significativa no tamanho da próstata, confirmada pela dosagem do PSA, é importante realizar outros exames para ter um diagnóstico preciso”, afirma o médico.

Novembro Azul

Para o urologista Pablo Mattos, o Novembro Azul é uma campanha necessária para conscientizar os homens da necessidade de procurar avaliação médica e não descuidar se aparecerem alguns dos sintomas.

“Tradicionalmente os homens não se preocupam tanto com a saúde. Isso está mudando, mas ainda é o comum. O problema é que sem a detecção precoce, fica mais difícil ter êxito com o tratamento. Por isso, a orientação é procurar um especialista tão logo aparece algum sintoma ou se o homem estiver no grupo de risco, e sempre, a partir dos 50 anos”, finalizou.

C.S.  
Foto: Arquivo pessoal